Sensacao De Dor Que Passa Ao Movimentar Se?

Sensacao De Dor Que Passa Ao Movimentar Se
Quais os sintomas da lombar inflamada? – Mas, os mais comuns são os seguintes abaixo:

  • Sensação de queimação ou “choque” na região lombar;
  • Incapacidade de ficar de pé ou de se movimentar livremente (coluna “travada”);
  • Irradiação da dor para as pernas (ciatalgia);
  • Dor intensa e aguda, incapacitante ou persistente.

Como saber se a dor que estou sentindo é muscular?

Quais os sintomas de dor muscular? – O principal sintoma de dor muscular é a dor ou incômodo em uma determinada região do corpo ou mesmo uma dor mais sistêmica e generalizada. A dor pode ser uma sensação de queimação  e ardência ou de pontada no músculo, ou ainda uma sensação de peso no local, como se ele estivesse mais enrijecido ou sensível ao toque.

Como saber se a dor e muscular ou no nervo?

O que é uma dor difusa?

RELATO DE CASO Dor musculoesquelética idiopática difusa na infância e na adolescência Diffuse idiopathic musculoskeletal pain in childhood and adolescence Juliana Molina I ; Simone Guerra L. Silva I ; Fernanda Moreira Teles I : Melissa Mariti Fraga II ; Luciana Tudech S.

  1. Paulo II ; Vanessa Bugni II ; Maria Teresa R;
  2. Terreri III ; Maria Odete E;
  3. Hilário IV ; Claudio Arnaldo Len III Instituição: Ambulatório de Dor do Setor de Reumatologia da Disciplina de Alergia, Imunologia e Reumatologia do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil I Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências Aplicadas à Pediatria da Unifesp, São Paulo, SP, Brasil II Pós-Graduanda do Setor de Reumatologia do Departamento de Pediatria da Unifesp; Médica do Setor de Reumatologia do Departamento de Pediatria da Unifesp, São Paulo, SP, Brasil III Doutor em Pediatria pela Unifesp; Professor Adjunto do Setor de Reumatologia do Departamento de Pediatria da Unifesp, São Paulo, SP, Brasil IV Livre-Docente em Pediatria pela Unifesp; Professora Associada e Chefe do Setor de Reumatologia do Departamento de Pediatria da Unifesp, São Paulo, SP, Brasil Endereço para correspondência RESUMO OBJETIVO: A dor musculoesquelética difusa idiopática persistente ou intermitente é definida pela presença de dor com duração de três meses ou mais, sem etiologia aparente, e tem acometido cada vez mais crianças e adolescentes;

Este estudo objetivou relatar dois pacientes com dor incapacitante submetidos à abordagem e ao tratamento multiprofissional, além de discutir o tratamento conduzido, por meio de revisão da literatura atual. DESCRIÇÃO DO CASO: O primeiro caso é de uma menina com nove anos de idade, com histórico de cefaleia, dor mus-culoesquelética e dor abdominal há dois anos, período no qual apresentou quatro episódios de ausência de marcha, sem causas orgânicas aparentes.

O segundo caso refere-se a uma adolescente de 14 anos com lombalgia diária há 14 meses de forte intensidade, com irradiação para membros inferiores, acompanhada de cefaleia, fadiga e adinamia. Ambas apresentavam exame físico normal, exceto pela presença de alodínia (caso 1) e pontos de fibromialgia (caso 2); além de exames subsidiários normais, sem justificativas orgânicas para as queixas dolorosas.

Houve melhora clínica significativa após diagnóstico e tratamento diferencial por meio de abordagem multiprofissional (médico, psicólogo, fisioterapeuta e nutricionista), com retomada das atividades regulares pelas pacientes. COMENTÁRIOS: A atuação integrada da equipe em um curto período de tempo proporcionou às pacientes a retomada de suas atividades normais, visto que fatores emocionais, físicos e nutricionais relacionam-se à dor.

Palavras-chave: dor; fibromialgia; criança; adolescente. ABSTRACT OBJECTIVE: Persistent or intermittent diffuse idiopathic musculoskeletal pain is defined by the presence of pain over three months with no apparent etiology.

The diagnosis of this condition in children and adolescents is increasing. The objective of this study was to report the cases of two patients with disabling pain that received multidiscipli-nary treatment and to review the current literature about this subject.

  • CASE DESCRIPTION: The first patient is a nine-year old girl with history of headache, musculoskeletal pain and abdominal pain for two years;
  • During this period she had four episodes of absence of gait with no apparent organic cause;

The second patient is a 14-year girl with severe daily low back pain for 14 months, followed by headache and fatigue. Both patients presented a normal physical examina-tion, except for allodynia (case 1) and fibromyalgia tender points (case 2). All tests resulted negative regarding the search for organic reasons for pain complaints.

Significant clinical improvement was observed with a multidisciplinary approach offered by pediatricians, psychologists, physical therapists, and nutritionists. Both patients resumed their daily regular activities.

COMMENTS: Team integrated performance in a short-term period can provide the attenuation of pain symptoms since emotional, physical and nutritional factors are related to the pain expressed by the patients. Key-words: pain; fibromyalgia; child; adolescent.

Introdução A dor em membros é comum na faixa etária pediátrica. Cerca de 10 a 20% das crianças aparentemente saudáveis queixam-se desse sintoma. Na maioria dos pacientes, são casos leves, transitórios e que não alteram a vida cotidiana.

No entanto, em algumas situações, a dor é de forte intensidade e tem impacto na qualidade de vida, nos aspectos físicos, emocionais, sociais e escolares (1). A queixa de dor persistente ou intermitente com duração de três meses ou mais define uma entidade denominada “dor musculoesquelética idiopática” (DMEI).

Caracterizada pela amplificação da dor sem uma etiologia aparente (1) , esta pode apresentar-se de forma difusa, profunda e bilateral, com duração, periodicidade e intensidade variáveis. É mais frequente em membros inferiores e extra-articular, principalmente em região anterior de pernas e coxas, região poplítea e panturrilhas; contudo pode acometer diferentes regiões do corpo e, na maioria das vezes, é intensa, fugaz, vespertina ou noturna e costuma ocorrer após exercício físico.

A DMEI pertence ao grupo das síndromes de amplificação dolorosa, grupo no qual também se incluem fibromialgia, síndromes complexas regionais e dor idiopática localizada, sendo que cada subgrupo apresenta critérios de classificação bem estabelecidos (1,2).

A prevalência da DMEI na faixa etária pediátrica varia significativamente entre 1 até 15% (3). A maioria dos casos envolve crianças no final da infância e na adolescência, com média de idade de início dos sintomas entre 12 e 13 anos, prevalecendo o sexo feminino (1).

Ainda que de etiologia desconhecida, é provável que a causa da DMEI seja multifatorial, com a contribuição de fatores intrínsecos (baixo limiar para a dor, resposta peculiar no sistema nervoso central, presença de hipermobilidade articular, estresse e funcionamento psíquico) e extrínsecos (experiências dolorosas prévias, privação social, abuso físico e sexual, modelos parentais de comportamento doloroso, distúrbios do sono e baixo condicionamento físico) (4).

  1. A importância relativa desses fatores varia entre os indivíduos e o grau de influência dos diferentes fatores também podem se modificar ao longo do tempo (5);
  2. Devido a dificuldades ainda existentes na realização de um diagnóstico assertivo, pacientes com DMEI comumente possuem um longo histórico de exames subsidiários, tratamentos médicos e até mesmo internações, com poucos resultados na melhora do quadro doloroso;

Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi relatar os casos de dois pacientes com DMEI, bem como discutir a conduta realizada, sendo o relato aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Descrição do caso Nos últimos dois anos foram atendidas 110 crianças e adolescentes com dor musculoesquelética no Ambulatório de Dor do Setor de Reumatologia Pediátrica da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, todas encaminhadas da triagem pediátrica ou de serviços da rede pública do Estado de São Paulo.

Os dois casos selecionados referem-se a pacientes cujo comprometimento significativo da marcha foi a principal queixa pela qual foram encaminhadas ao serviço. Caso 1 Trata-se de uma menina de nove anos, procedente de São Paulo, com história de internação pregressa por miosite viral.

Atendida em outro serviço médico, descartou-se a suspeita de doença muscular inflamatória por meio de exames voltados para a pesquisa de inflamações musculares (enzimas). Há dois anos iniciou quadro de dores abdominais e cefaleia recorrentes com duração de aproximadamente 15 dias, com fraqueza e sonolência.

A mãe relata que a filha acordou com dor nos membros inferiores e as pernas frias, sem conseguir manter-se em pé e andar; esse quadro persistiu por 21 dias. Sem diagnóstico, a paciente retornou a andar espontaneamente.

Continuou em investigação neurológica, sempre apresentando as mesmas queixas, sem lesões aparentes. Há um ano, parou subitamente a deambulação por 17 dias, também com retorno espontâneo da marcha, mas apresentando dificuldades e dor intermitente mesmo em repouso.

  1. No total, apresentou quatro episódios de perda de marcha;
  2. Foi encaminhada para o serviço da Unifesp há seis meses, com dores difusas pelo corpo, principalmente em membros inferiores, e ausência de marcha há dois meses, sem conseguir manter-se em pé;

Referia uso de amitripitilina 25mg há um mês. O exame clínico foi normal, exceto pela presença de dor em resposta à palpação de fraca intensidade na face anterior das coxas (alodínia). Não foram detectados hipermobilidade articular ou pontos de fibromialgia. A paciente foi avaliada pela equipe multidisciplinar que fez os seguintes pareceres:

  • Psicologia: os quadros dolorosos mais graves com perda da marcha eram sempre precedidos por episódios nos quais vivenciava algum tipo de conflito familiar ou frente a situações nas quais se sentia desamparada, demonstrando elevados níveis de ansiedade, temores relacionados à ausência da mãe e no convívio social (principalmente escolar), sentimentos de rejeição e baixo limiar à frustração. Foi iniciada psicoterapia semanal.
  • Nutrição: paciente com os seguintes índices antropométricos: P/E 103,5%, E/I 102,5%; diagnóstico nutricional de eutrofia. Mantinha alimentação balanceada, porém com baixo consumo de legumes e verduras. Nos dias em que apresentava mais dores e referia estados ansiosos, diminuía o consumo alimentar e se alimentava apenas de “beliscos”. Foi orientada a modificar o hábito alimentar de forma gradativa, visando à aderência ao tratamento.
  • Reabilitação: a principal disfunção observada foi o comprometimento grave da marcha, com dependência para o deslocamento. A criança chegava ao atendimento no colo da mãe e segundo relato desta, a criança arrastava-se para realizar deslocamentos. Demonstrou resistência ao tratamento. Foram utilizadas técnicas de dessensibilização dos membros inferiores, massagens, alongamentos, orientação aos pais e descarga de peso.
You might be interested:  Dor Refrataria O Que É?

Após dez meses de acompanhamento, com melhora do quadro geral e recuperação da marcha com movimentos compensatórios, sem alterações musculoesqueléticas residuais, a paciente apresentou novamente perda da marcha, após um episódio familiar no qual mostrou altos níveis de ansiedade. Foi encaminhada para avaliação psiquiátrica, sendo aumentada a dose de amitripitilina para 125mg/dia. A reabilitação foi reiniciada, com foco maior nos atendimentos fisioterápicos, visando ao não comprometimento dos membros inferiores, e no acompanhamento psicológico, com o intuito de dar suporte necessário para identificar e controlar os agentes desencadeadores de crises de ansiedade.

Foram solicitados os seguintes exames laboratoriais: hemograma, provas de atividade inflamatória, fator antinúcleo, função tireoidiana, desidrogenase lática, creatinoquinase e aldolase. Diante de resultados normais, foi proposta a hipótese diagnóstica de DMEI.

Houve recuperação da marcha e diminuição de queixas dolorosas em 40 dias e a paciente se manteve assintomática (há 12 meses sem queixas). Caso 2 O Caso 2 é o de uma adolescente de 14 anos, sexo feminino, procedente de São Bernardo do Campo (SP). Há 18 meses iniciou quadro de lombalgia diária, de forte intensidade, com irradiação para membros inferiores.

  • Acompanhava cefaleia, em regiões frontais e temporais, chegando a despertar a noite com dor nas costas;
  • Relatou que na época do surgimento dos sintomas procurou um ortopedista, recebendo diagnóstico de escoliose;

Foi prescrito tratamento fisioterápico por dois meses, sem melhora. Há um ano houve piora da dor. Depois de uma melhora espontânea por 30 dias, o quadro álgico se intensificou, resultando na perda temporária da marcha. Em janeiro de 2009, relatou novamente piora do quadro de cefaleia.

Retornou ao ortopedista que introduziu anti-inflamatório não esteroidal e miorrelaxantes, sem resposta adequada. A adolescente procurou o serviço com queixas de dor difusa, fadiga e adinamia. No exame físico, apresentava bom estado geral e dor lombar.

Havia dor à palpação em 16/18 pontos de fibromialgia. Todos os exames subsidiários eram normais, incluindo ressonância magnética de coluna lombar e tomografia de crânio recentes. Os achados da equipe interdisciplinar estão relacionados a seguir:

  • Psicologia: a paciente apresentava elevado nível de ansiedade de modo a comprometer o funcionamento de comportamentos adaptativos frente a situações de estresse.
  • Nutrição: a paciente apresentava sobrepeso, com índice de massa corpórea de 23,84kg/m² (percentil 85). Referiu consumo alimentar acima do recomendado, principalmente nos dias em que apresentava dores, com ingestão excessiva de alimentos fontes de açúcares e gorduras e baixo consumo de legumes e verduras.
  • Reabilitação: observado comprometimento na marcha independente, necessitando de apoio para andar. No tratamento, foram utilizadas técnicas de dessensibilização dos membros inferiores, massagens, alongamentos, orientação à paciente e à mãe. A adolescente aderiu ao tratamento, com uma sessão semanal, e realizou exercícios de alongamento, além de caminhadas diárias após a melhora da marcha.

Depois de oito meses do início do acompanhamento, a adolescente apresentou ausência do quadro álgico e significativa melhora na qualidade vida, adquirida com a incorporação de melhores hábitos alimentares, prática frequente de atividade física (natação semanal e caminhadas diárias), acupuntura e psicoterapia cognitiva comportamental. Os reflexos dessa melhora podem ser observados no relato da jovem e também na ausência de limitações em suas atividades rotineiras (escola e passeios, antes comprometidos pelas dores) e no retorno à prática de atividades diárias. Discussão A DMEI é uma patologia pouco reconhecida na prática clínica diária, o que faz com que muitas crianças e adolescentes procurem vários médicos e realizem uma série de exames subsidiários desnecessários para afastar doenças ortopédicas, neurológicas e reumatológicas.

Houve retorno da marcha independente, sem sequelas, na quarta semana de acompanhamento. Em muitos casos, há demora no diagnóstico e na elaboração de um plano de tratamento individual, baseado na abordagem multiprofissional, o que faz com que os pacientes permaneçam por longos períodos sofrendo com sintomas e acabem reduzindo suas atividades cotidianas.

Na maioria dos pacientes, a dor é de caráter intermitente, forte intensidade e os quatro quadrantes do corpo são acometidos. Achados clínicos comuns são: hipermobilidade articular, alodínia e hiperalgesia à palpação dos membros. Outras manifestações são fadiga, cefaleia, síndrome do colo irritável e distúrbios de sono (insônia, sono não restaurador e sonolência diurna) (6) , queixas estas observadas em ambas as pacientes.

Ainda, a segunda paciente apresentou 16/18 pontos dolorosos e preencheu critérios para fibromialgia (7). No Serviço de Reumatologia da Unifesp, cerca de 30% dos pacientes com dor musculoesquelética preenchem esses critérios (8) , que, apesar de ainda não terem sido validados para crianças, são utilizados na prática clínica diária.

A prevalência da fibromialgia em crianças e adolescentes saudáveis é de 1 a 6% (9,10) ; no entanto, esses dados são subestimados, uma vez que a pesquisa dos pontos dolorosos e o interrogatório sobre o padrão de sono não são rotineiramente realizados nos consultórios pediátricos.

  1. Ainda no interrogatório, deve ser avaliada a presença de dor crônica e/ou recorrente em outros membros da família; em estudo realizado na Unifesp (dados não publicados), 70% das mães de adolescentes com fibromialgia preencheram critérios diagnósticos para a doença, especulando-se que essa relação possa se associar a uma base genética e a fatores ambientais;

A etiopatogenia da DMEI é multifatorial, e traumas físicos e/ou emocionais podem ser gatilhos; uma anamnese detalhada com pais e pacientes pode ser reveladora de situações como abuso psicológico e até mesmo sexual (1). A dor é, então, perpetuada e retroalimentada por situações associadas à ansiedade, ao medo e à depressão, bem como a uma “desregulação” dos hábitos de vida, como alimentação inadequada, relação sono-vigília, redução do nível das atividades físicas, sociais e escolares (4).

  • Nos dois casos relatados, as pacientes apresentavam ansiedade, estresse e problemas de autoestima relacionados à amplificação da dor;
  • Do ponto de vista psicológico, os aspectos emocionais e as características de personalidade podem estabelecer relações diretas com a gênese da dor sem causa orgânica;

Algumas dessas características podem se associar ao aumento da suscetibilidade à dor, podendo ser a dor também sintoma de doenças mentais, como ansiedade generalizada e depressão. Estudos realizados por meio de comparações entre grupos de adolescentes com fibromialgia e seus familiares e com adolescentes e familiares sem queixas de dor verificaram que mães do primeiro grupo relatam o dobro de queixas dolorosas e maior frequência de sintomas depressivos do que as mães dos pares de comparação.

O grupo com fibromialgia também demonstrou relações familiares mais conflituosas e esse histórico de queixas dolorosas em mães de adolescentes com dor foi associado pelos autores a maior prejuízo funcional (11).

No ambulatório da Unifesp, todos os pacientes com dor são avaliados por psicólogos e, havendo necessidade, acompanhados em sessões semanais. As pacientes descritas nesse estudo demonstravam elevados níveis de ansiedade e preocupações, com pobreza de repertório adequado frente a situações interpretadas como de desamparo.

Em ambos os casos, as situações ansiogênicas estavam diretamente relacionadas à ausência da mãe. No entanto, cabe esclarecer que, nestes casos, ausências rotineiras das mães, como ida ao trabalho e às compras, eram ocasionalmente desencadeadoras de ansiedade.

Segundo Graham e Streitel (12) , indivíduos com dor crônica têm maior ocorrência de perturbações comportamentais. A explicação para isso se daria em razão a uma interpretação aumentada de estressores psicológicos em diversos aspectos de suas vidas quando comparados a indivíduos sem dor crônica.

A associação entre humor deprimido, estresse, dor e sono é suscetível de ser particularmente forte em indivíduos jovens, que ainda estão desenvolvendo suas habilidades para regular a emoção, a atenção e as respostas comportamentais ao estresse (13).

Dessa forma, tais estudos sugerem que múltiplos estressores podem aumentar o risco de problemas comportamentais e de saúde. As pacientes aqui relatadas apresentaram diminuição da capacidade funcional, com limitação da deambulação. Em pacientes com DMEI, a disfunção da marcha e o quadro doloroso são de importância relevante, levando a prejuízos na qualidade de vida de crianças e adolescentes e gerando comprometimento nas atividades de vida diária, sociais e elevado número de faltas escolares.

  1. A inatividade física tende a se agravar ao longo dos meses; em muitas situações, os pacientes são orientados a restringir exercícios com o objetivo de reduzir a dor;
  2. Mas, no caso da DMEI, essa conduta passa a contribuir para o agravo da dor, além de diminuir a massa muscular e piorar as alterações posturais (14);

O tratamento de crianças com DMEI é baseado na relação médico-paciente e no suporte multiprofissional. Muitos pais, frente à ausência de um diagnóstico assertivo e esclarecedor das queixas dolorosas de seus filhos, chegam a duvidar da a veracidade dessas queixas.

  • O clínico deve reforçar que a dor existe, é física e que muitos pacientes apresentam limiar para a dor reduzido;
  • A escuta dessas queixas, os esclarecimentos e a validação do sofrimento do paciente com DMEI são o foco inicial no atendimento psicoterápico;

Desse modo, o esquema terapêutico ideal envolve reabilitação, com ênfase nos exercícios físicos aeróbicos, psicoterapia, além de outras modalidades, como a acupuntura (15). A utilização de técnicas como relaxamento, reeducação postural, cinesioterapia e meios físicos (massoterapia, hidroterapia, frio, calor, estimulação elétrica, entre outros) proporciona alívio sintomático da dor, possibilitando a redução do uso de medicamentos (16).

  1. Em estudo piloto de pacientes entre oito e 18 anos, randomizados para uma intervenção com 12 semanas de exercício com sessões de treino semanais, foi demonstrado que crianças com fibromialgia toleram os exercícios aeróbios de intensidade moderada, sem exacerbação da doença e com melhorias significativas na função física (17);

Outros estudos indicam que o tratamento com exercício físico orientado, quando comparado com um grupo controle sem exercício, pode ter efeitos positivos na redução da dor (17). Revisões sistemáticas vem sendo feitas com o intuito de comprovar a eficácia de terapias psicológicas para o manejo da dor crônica e recorrente em crianças.

Técnicas como relaxamento, hipnose, treinamento de habilidades, biofeeback e terapia cognitiva comportamental são hoje reconhecidas como intervenções que podem ajudar no controle das dores, evitando suas consequências incapacitantes.

No caso de crianças e jovens, existem também boas evidências da eficácia na redução da gravidade e frequência da dor de cabeça crônica, dor abdominal recorrente e fibromialgia, com efeitos duradouros (18). A prevalência da obesidade em crianças e adolescentes tem aumentado em diversos países do mundo, inclusive no Brasil, o que está fortemente relacionado a mudanças no estilo de vida e nos hábitos alimentares, como o fácil acesso e o baixo custo de alimentos ricos em gorduras e açúcares (19).

  • Na infância, além de a criança exercer pouco controle sobre a disponibilidade domiciliar de alimentos, pode sofrer influência do hábito alimentar e de atividade física dos pais e familiares (20);
  • Em ambos os caso apresentados, as pacientes mantinham um hábito alimentar inadequado, decorrente da influência e dos costumes da família;
You might be interested:  O Que Dar Para Cachorro Com Dor De Barriga?

Wright et al , em estudo transversal, avaliaram 3. 471 gêmeos americanos com idade média de 31 anos. A prevalência de sobrepeso e obesidade foi de 24,3 e 13,3%, respectivamente. Entre os indivíduos com queixa de dor, 1,8% apresentavam fibromialgia, sendo esse diagnóstico encontrado em maior proporção em pacientes com excesso de peso (21) , o que significa que o peso deve ser controlado e os hábitos alimentares adequados precisam ser estimulados desde a infância.

Segundo revisão realizada em 2009 por Häuser et al em adultos, a utilização de medicações antidepressivas está associada à melhoria de dor, depressão, fatiga, distúrbios do sono e qualidade de vida nos pacientes com fibromialgia (22).

No entanto, Buskila, em 2009, sugeriu que o tratamento de crianças e adolescentes fosse iniciado preferencialmente por modalidades não farmacológicas, incluindo reeducação, prática de exercícios e acompanhamento psicológico, visto não existirem estudos sistemáticos sobre o uso de medicamentos de crianças (23).

  1. Em nosso ambulatório, são prescritos medicamentos, como os antidrepressivos tricíclicos, apenas nos casos em que não há melhora com as modalidades de tratamento não farmacológicas;
  2. Busch et al compararam 175 pacientes com fibromilagia, dos quais 87 receberam apenas amitriptilina e 88 realizaram apenas fisioterapia;

Aplicando o Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ), observou-se melhora com a fisioterapia. Tanto a alta pontuação no FIQ na linha de base quanto o baixo nível socioeconômico foram preditores significativos do benefício de ambos os tratamentos. Os autores concluíram que a terapia isolada com amitriptilina ou com fisioterapia foi igualmente eficaz, durante período de seis meses (24).

  • Em conclusão, pacientes com DMEI podem apresentar diminuição da capacidade funcional significativa e, em alguns casos, ocorre comprometimento da marcha sem causa física aparente;
  • Na investigação diagnóstica, é necessário excluir as doenças orgânicas, mas também é importante uma avaliação pela equipe multiprofissional, uma vez que aspectos emocionais, físicos e nutricionais estão presentes;

O tratamento deve ser planejado com base na experiência dos diversos profissionais envolvidos.

  • Endereço para correspondência: Claudio Arnaldo Len Rua Borges Lagoa, 802 – Vila Clementino CEP 04038-002 – São Paulo/SP E-mail:
  • Conflito de interesse: nada a declarar Recebido em: 22/3/2010 Aprovado em: 20/9/2010 Endereço para correspondência: Claudio Arnaldo Len Rua Borges Lagoa, 802 – Vila Clementino CEP 04038-002 – São Paulo/SP E-mail: len. cl@terra. com. br.

    Como é a dor Artrítica?

    Recursos do assunto Dores que parecem vir das articulações podem, em alguns casos, ter sua origem em estruturas fora das articulações, como ligamentos, tendões ou músculos (consulte Introdução à biologia do sistema musculoesquelético Introdução à biologia do sistema musculoesquelético O sistema musculoesquelético dá forma, estabilidade e movimento ao corpo humano.

    1. Ele é constituído pelos ossos (que formam o esqueleto), músculos, tendões, ligamentos, articulações, cartilagem;
    2. leia mais );
    3. Como exemplos desses quadros clínicos temos a bursite Bursite A bursite é uma inflamação dolorosa da bursa (uma bolsa preenchida com líquido que proporciona amortecimento onde a pele, músculos, tendões e ligamentos deslizam sobre os ossos);

    Movimentar-se. leia mais e a tendinite Tendinite e tenossinovite A tendinite é a inflamação de um tendão. Já a tenossinovite é a tendinite acompanhada por uma inflamação da cobertura protetora sobre o tendão (bainha do tendão). Nem sempre se conhece a causa. leia mais. A dor articular real (artralgia) pode ou não estar acompanhada de inflamação da articulação (artrite).

    O sintoma mais comum de inflamação da articulação é a dor. As articulações inflamadas também podem ficar quentes e inchadas e, menos frequentemente, a pele pode ficar avermelhada. A artrite pode envolver apenas articulações dos membros ou também articulações da parte central do esqueleto, como as da coluna vertebral ou pelve.

    A dor pode ocorrer apenas quando a articulação é movimentada ou pode estar presente em repouso. Outros sintomas, como erupção cutânea, febre, dor ocular ou aftas, podem estar presentes dependendo da causa da dor articular. Na maioria dos casos, a causa da dor que se origina em múltiplas articulações é a artrite. Os distúrbios que podem causar artrite podem diferir uns dos outros em algumas tendências, como as seguintes:

    • Quantas e quais articulações geralmente estão envolvidas
    • Se a parte central do esqueleto, como a coluna vertebral ou pelve, está normalmente envolvida
    • Se a artrite é repentina (aguda) ou persistente (crônica)

    A artrite aguda que afeta múltiplas articulações é mais comumente provocada por Artrite crônica em múltiplas articulações é mais comum em decorrência de

    • Doenças inflamatórias, como artrite reumatoide Artrite reumatoide (AR) A artrite reumatoide é uma artrite inflamatória em que as articulações, geralmente incluindo as das mãos e pés, ficam inflamadas, resultando em inchaço, dor e, geralmente, destruição das articulações. leia mais , artrite psoriática Artrite psoriática A artrite psoriática é uma espondiloartrite e uma forma de inflamação articular que ocorre em algumas pessoas que têm psoríase de pele ou unhas. Inflamação das articulações pode se desenvolver. leia mais ou lúpus eritematoso sistêmico Lúpus eritematoso sistêmico (LES) O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença inflamatória autoimune crônica do tecido conjuntivo, que pode envolver as articulações, rins, pele, membranas mucosas e paredes dos vasos sanguíneos. leia mais (em adultos)

    Alguns distúrbios inflamatórios crônicos podem afetar a coluna vertebral e as articulações dos membros (denominadas articulações periféricas). Alguns afetam certas partes da coluna vertebral com mais frequência. Por exemplo, a espondilite anquilosante afeta mais comumente a região inferior (lombar) da coluna vertebral, enquanto que a artrite reumatoide afeta mais frequentemente a parte superior (cervical) da coluna vertebral no pescoço.

    1. As doenças mais comuns fora das articulações que causam dor articular são A bursite e tendinite geralmente resultam de uma lesão que frequentemente afeta apenas uma articulação;
    2. No entanto, algumas doenças causam a bursite ou tendinite em muitas articulações;

    Na avaliação da dor articular, primeiro os médicos tentam determinar se a dor é causada por uma doença nas articulações ou uma doença grave generalizada (sistêmica) do corpo. Algumas doenças graves generalizadas podem precisar de tratamento específico imediato. Em pessoas com dor em mais de uma articulação, os sintomas para os quais deve-se solicitar avaliação médica imediata incluem

    • Inchaço, sensação de queimação e vermelhidão da articulação
    • Novas erupções, manchas ou manchas roxas
    • Lesões na boca, nariz ou genitais
    • Dor no tórax, dificuldade para respirar ou uma tosse nova ou grave
    • Dor abdominal
    • Febre, sudorese, perda de peso ou calafrios
    • Vermelhidão ou dor ocular

    Pessoas com sinais de alerta devem procurar um médico imediatamente. As que não têm nenhum sinal de alerta devem telefonar para um médico. O médico decide quão rápido a pessoa precisa ser examinada com base na gravidade e localização da dor, bem como no fato de as articulações estarem inchadas e de uma causa ter sido diagnosticada anteriormente, entre outros fatores.

    1. As informações a seguir podem ajudar as pessoas a decidirem quando devem procurar um médico e a saberem o que esperar durante a avaliação;
    2. Normalmente, esperar alguns dias ou mais não é perigoso para pessoas sem sinais de alerta;

    Os médicos fazem perguntas sobre a gravidade e início (repentino ou gradual) da dor, sobre como os sintomas variam com o passar do tempo e sobre o que aumenta ou diminui a dor (por exemplo, repouso ou movimento ou horário do dia em que os sintomas pioram ou melhoram).

    • Eles perguntam sobre a rigidez e inchaço da articulação, distúrbios articulares anteriormente diagnosticados e sobre o risco de exposição a doenças sexualmente transmissíveis e doença de Lyme;
    • Então, os médicos fazem um exame físico completo;

    Eles verificam todas as articulações (incluindo as da coluna vertebral) procurando por inchaço, vermelhidão, pontos quentes, sensibilidade e ruídos produzidos quando as articulações são movimentadas (crepitações). As articulações são movimentadas em toda sua amplitude de movimento, primeiro pela pessoa sem assistência (amplitude de movimento ativo) e depois pelo médico (amplitude de movimento passivo).

    • Esse exame ajuda a determinar qual estrutura está causando a dor e se há inflamação;
    • Os médicos também examinam os olhos, boca, nariz e região genital em busca de lesões ou outros sinais de inflamação;
    • A pele é examinada para verificar a presença de erupções cutâneas;

    Os nódulos linfáticos são apalpados e os pulmões e coração examinados. Geralmente, os médicos testam a função do sistema nervoso a fim de detectar doenças dos músculos ou nervos. Alguns achados fornecem diretrizes úteis sobre a causa. Por exemplo, se houver sensibilidade ao redor da articulação, porém não sobre a articulação, é mais provável que a causa seja bursite ou tendinite.

    Se a sensibilidade estiver presente em todas as partes, pode haver fibromialgia. Se a coluna vertebral estiver sensível, além articulações, as causas possíveis incluem osteoartrite, artrite reativa, espondilite anquilosante e artrite psoriática.

    Os achados nas mãos podem ajudar os médicos a diferenciarem entre artrite reumatoide e osteoartrite, dois tipos especialmente comuns de artrite. Por exemplo, a artrite reumatoide é mais propensa a envolver as grandes articulações dos dedos (aquelas que unem os dedos à mão) e pulsos. Os seguintes exames são, em geral, os mais importantes:

    • Testes do líquido articular
    • Exames de sangue para autoanticorpos
    • Velocidade de hemossedimentação (VHS) e proteína C-reativa

    A VHS é um exame que mede a velocidade com que as hemácias se acomodam no fundo de um tubo de ensaio contendo uma amostra de sangue. Sangue em que as hemácias se acomodam rapidamente geralmente indica que há uma inflamação generalizada (sistêmica), mas muitos fatores podem afetar o exame de VHS, incluindo idade e anemia, assim, ele pode ser impreciso em alguns casos. Para ajudar a determinar se há inflamação generalizada, em alguns casos, os médicos fazem outro exame de sangue chamado proteína C-reativa (uma proteína que circula no sangue cujo nível aumenta expressivamente quando há inflamação).

    A osteoartrite é mais propensa a envolver as articulações dos dedos próximas à unha. O pulso não é afetado comumente pela osteoartrite, exceto na base do polegar. O distúrbio subjacente é tratado. Por exemplo, pessoas com uma doença autoimune (como lúpus eritematoso sistêmico) podem precisar de um medicamento que suprima o sistema imunológico.

    Pessoas com infecção articular por gonorreia precisam de antibióticos. Normalmente, os sintomas podem ser aliviados antes do diagnóstico ser estabelecido. A inflamação frequentemente pode ser aliviada com anti-inflamatórios não esteroides Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor.

    You might be interested:  Dor No Pescoço E Nuca O Que Pode Ser?

    Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor. leia mais (AINEs). Geralmente, o paracetamol Paracetamol Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor.

    Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor. leia mais trata a dor sem inflamação com maior segurança. A imobilização da articulação com uma tala ou tipoia pode, em alguns casos, aliviar a dor.

    Aplicar calor Terapia quente Terapeutas profissionais de reabilitação tratam a dor e a inflamação. Esse tratamento facilita o movimento e permite que as pessoas participem mais integralmente da reabilitação.

    As técnicas. leia mais (por exemplo, uma bolsa térmica) pode diminuir a dor ao aliviar os espasmos musculares ao redor das articulações (por exemplo, após uma lesão). Aplicar frio Terapia fria (crioterapia) Terapeutas profissionais de reabilitação tratam a dor e a inflamação.

    Esse tratamento facilita o movimento e permite que as pessoas participem mais integralmente da reabilitação. As técnicas. leia mais (por exemplo, com gelo) pode ajudar a aliviar a dor causada pela inflamação da articulação.

    As compressas quentes ou frias devem ser aplicadas durante pelo menos 15 minutos por vez para permitir a penetração profunda. A pele deve estar protegida do calor e frio extremo. Por exemplo, o gelo deve ser colocado em uma bolsa plástica e enrolado em uma toalha. leia mais é a causa mais comum de dores em múltiplas articulações em pessoas idosas. Apesar de ser mais comum em jovens adultos (aqueles entre 30 e 40 anos), a artrite reumatoide Artrite reumatoide (AR) A artrite reumatoide é uma artrite inflamatória em que as articulações, geralmente incluindo as das mãos e pés, ficam inflamadas, resultando em inchaço, dor e, geralmente, destruição das articulações. leia mais também pode aparecer mais tarde (após os 60 anos). Idosos que têm artrite reumatoide também podem ter câncer. Pessoas acima de 55 anos com rigidez no quadril e ombro e dor que geralmente é pior durante a manhã podem ter polimialgia reumática Polimialgia reumática A polimialgia reumática é a inflamação da membrana que reveste as articulações, causando dor intensa e rigidez muscular no pescoço, nas costas, nos ombros e nos quadris.

    1. A osteoartrite Osteoartrite (OA) A osteoartrite é uma doença crônica que danifica a cartilagem e os tecidos circundantes e caracteriza-se por dor, rigidez e perda da função;
    2. A artrite decorrente de lesões na cartilagem das;

    Desconhece-se a causa. leia mais. O reconhecimento da polimialgia reumática é importante, pois o tratamento pode prevenir outros problemas. Gota Gota Gota é uma doença na qual há o acúmulo de depósitos de cristais de ácido úrico nas articulações devido a concentrações elevadas de ácido úrico no sangue (hiperuricemia). leia mais em mulheres mais velhas tende a afetar as articulações interfalangeanas distais (IFD) das mãos (o primeiro nó dos dedos a partir da ponta dos dedos).

    • A dor aguda em múltiplas articulações ocorre geralmente devido a inflamação, gota ou ao início ou crise de uma doença articular crônica.
    • A dor crônica em múltiplas articulações geralmente se desenvolve devido à osteoartrite, a uma doença inflamatória (como artrite reumatoide) ou, em crianças, à artrite idiopática juvenil.
    • Quando uma quantidade significativa de líquido se acumula dentro de uma articulação, uma amostra do líquido geralmente é coletada e analisada.
    • A prática de atividades físicas ao longo da vida ajuda a manter a amplitude de movimento em pessoas com artrite crônica.

    OBS. : Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais Clique aqui para a versão para profissionais Direitos autorais © 2022 Merck & Co. , Inc. , Rahway, NJ, EUA e suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

    O que e o estresse muscular?

    O que causa a tensão muscular? – A tensão muscular é aquele incômodo ou dor causados pelo excesso de tônus muscular. É uma contração excessiva de um músculo, que leva à dores no local, dificultando o movimento e até mesmo o relaxamento após o momento de estresse.

    1. O fisioterapeuta Santiago Munhos, da Santibras, explica que o corpo, para se sustentar de pé e com a postura adequada, precisa ter esse tônus muscular, mas o problema está nessa concentração excessiva;

    “A tensão muscular é uma resposta fisiológica aos desconfortos causados, geralmente, por estímulos externos. Os mais comuns são provocados por fatores emocionais, como estresse e ansiedade, ou por fatores físicos como problemas posturais”, explica. Segundo ele, o principal problema da tensão muscular é a dor, mas também pode levar à diminuição do movimento e da disposição física. Alguns dos fatores que podem levar à tensão muscular são:

    • Estresse excessivo;
    • Ansiedade;
    • Dificuldade em relaxar;
    • Postura inadequada durante o dia;
    • Não movimentar o corpo com frequência;
    • Sentar de maneira errada no trabalho;
    • Sono irregular;
    • Movimentos repetitivos.

    Olhando para a lista, é possível imaginar que a pandemia potencializou o problema da tensão muscular, já que a rotina mudou, assim como os hábitos de saúde e de trabalho. “As incertezas e mudanças que a pandemia trouxe acabam aumentando a ansiedade e o estresse. A isso também pode ser somada a má postura durante o dia por conta da realidade do home office”, diz o fisioterapeuta. Trabalhando de casa, as pessoas também tiveram a tendência de andar menos, fazendo menos pausas e passando muitas horas seguidas sentadas, nem sempre da maneira correta.

    O que e a doença miosite?

    O que é miosite? – Miosite é a inflamação dos músculos. Causa dor, desconforto, fraqueza e dificuldade de realizar movimentos que dependem do músculo ou grupo muscular afetado pela inflamação. A miosite pode ser crônica, durando vários anos, ou aguda, quando surge subitamente e some, sem necessidade de intervenção.

    Como saber onde é a dor?

    Cólicas Intestinais – Quem tem: Pessoas com quadros como diarreia e constipação intestinal (conhecida como “intestino preso”), podem ter dores nessa região. Local da dor: Parte central ou inferior da barriga. Frequência: As dores vêm de forma repentina, e sua frequência pode variar de pessoa para pessoa Outros sintomas: dor intensa, formação de gases, diarréia ou fezes endurecidas.

    O que significa dor no mid?

    Dor que acomete apenas uma única articulação.

    O que causa dor nos nervos?

    Dor Neuropática – A dor neuropática é uma doença crônica com diversas causas. Infecções, doenças e traumas que afetam os nervos periféricos são alguns exemplos. Esse tipo de dor pode ser causado por uma lesão ou disfunção do sistema nervoso central, periférico ou por traumas.

    Quais são os 18 pontos de dor da fibromialgia?

    Quais os 3 tipos de dor?

    O que é uma dor reflexa?

    O que é a Síndrome da Dor Complexa Regional? – A síndrome da dor complexa regional, também conhecida como distrofia simpatico-reflexa, é uma condição que causa dor forte e que não melhora. Ela normalmente afeta apenas um dos braços ou uma das pernas após uma lesão no mesmo membro. Os médicos costumam dividir a SDCR em 2 tipos:

    • SDCR tipo I: ocorre após uma lesão no membro, como uma fratura ou torção sem lesão do nervo.
    • SDCR tipo II: ocorre após a lesão de um nervo no membro afetado.

      Qualquer pessoa pode ser afetada pela SDCR, incluindo crianças. A doença afeta mais comumente as mãos, punhos, tornozelos e pés, mas às vezes todo o membro pode ser afetado, como por exemplo, o braço inteiro.

    Quais os sintomas de artrite inflamatória?

    Sintomas – Muitas pessoas com artrite inflamatória não apresentam quaisquer sinais de doença. O aumento do fluxo sanguíneo e a libertação de substâncias químicas atraem glóbulos brancos para o local da inflamação. Estes fenómenos causam irritação, desgaste articular e inchaço.

    Os sintomas mais comuns são vermelhidão, inchaço das articulações que ficam dolorosas e sensíveis ao toque, dor articular e rigidez, e perda de função das articulações envolvidas. Sendo uma doença geral, pode ocorrer febre, calafrios, fadiga e perda de energia, cefaleias e perda de apetite.

    Se a inflamação afetar outros órgãos, a sintomatologia pode variar. Se ocorrer no miocárdio, haverá dor torácica ou retenção de líquidos, se envolver a árvore brônquica ocorrerá dificuldade respiratória, se afetar os rins poderá surgir hipertensão ou insuficiência renal, no caso do sistema visual o paciente poderá sentir dor e diminuição da visão, se comprometer os músculos provocará dor e fraqueza muscular, se englobar os vasos sanguíneos poderão verificar-se vasculites, com manifestações na pele ou lesão de outros órgãos mais profundos.

    Como é a dor da artrite reumatoide?

    Por que sinto Tontura ao fazer força? Dr Saulo Nader explica Fístula Perilinfática

    Como os sintomas de artrite e fibromialgia podem ser tratados? – Artrite reumatoide – a dor e inchaço nas articulações podem ser aliviados com a ajuda de medicação receitadas pelo reumatologista. Converse com ele sobre a possibilidade de fazer terapia ocupacional, pois isso ajuda a encontrar formas de realizar as tarefas diárias sem que as articulações sejam danificadas.

    Se o seu caso for mais sério, o médico pode considerar uma cirurgia para reparar os danos nas articulações e reduzir as deformidades. Fibromialgia – pratique exercícios físicos regularmente, pois esta é uma das melhores formas de controlar as dores causadas pela condição.

    Além disso, eles ajudam a manter o bom humor e a boa qualidade de vida. Mas, antes de começar a praticar, converse com o médico, que também avaliará se você deve usar medicamentos. Considere ainda a possibilidade de fazer terapias alternativas (como acupuntura, massagens terapêuticas e yoga) – apesar de elas não terem benefícios cientificamente comprovados, muitos pacientes relatam melhoras.

    O que é estresse articular?

    O pré- estresse nas articulações estaria presente em suas estruturas elásticas e levaria a existência simultânea de tensão passiva em estruturas antagonistas (co-tensão passiva) e, assim, a torques elásticos passivos opostos nas posições de repouso articular e em parte da amplitude de movimento articular.

    Quais são os tipos de dores musculares?

    Quantos dias pode durar uma dor muscular?

    Como as dores se comportam: –

    • Dores musculares intensas de início súbito
    • Dor ao leve toque do corpo
    • A dor se inicia em região cervical (pescoço), trapézio (ombros) e dorso (costas),
    • Depois, a dor desce para braços, seguidos das coxas e panturrilhas.
    • Dura entre 12 a 72 horas
    • É autolimitada (vai embora sozinha)

    O que fazer para aliviar a dor muscular?

    O que pode ser dor nos músculos?

    As dores musculares, que normalmente afetam alguns músculos ou uma pequena parte do seu corpo, são geralmente causadas por uso excessivo ou por lesões ligeiras, por exemplo, entorses ou distensões decorrentes de um excesso na corrida matinal.

    0
    Adblock
    detector