Porque No Frio Sentimos Mais Dor?

Porque No Frio Sentimos Mais Dor
 victorass88/iStock Publicidade Publicidade Sabe a diferença entre fatalidade e tragédia? Fatalidade é bater o pé no batente da porta; tragédia é bater em um dia frio. O que torna a dor maior nas temperaturas menores é a contração dos músculos e dos vasos sanguíneos. A intenção do nosso corpo até que é das melhores: os músculos se contraem involuntariamente para se manterem aquecidos, e o sangue sai das articulações em direção ao tronco para manter nossa temperatura constante.

O problema, como qualquer mindinho pode confirmar, é que uma pancada em uma articulação contraída e sem sangue dói muito mais que uma normal. Uma hipótese é que, além disso, o frio tornaria mais sensíveis os receptores livres, os terminais nervosos que levam a sensação de dor para o cérebro.

Segundo a psicologia evolutiva, a intenção é que doa mais mesmo. Parece contraintuitivo, mas a teoria é a seguinte: como no frio a prioridade é se aquecer, não se mexer, ao longo do tempo teriam sido selecionados os indivíduos que sentiam mais dor e, consequentemente, se arriscavam menos em baixas temperaturas.

  • Como funciona
  • Corpo humano
  • Curiosidades

Por que sentimos mais dor no frio? A psicologia evolutiva diz algo parecido com o que sua mãe diria: “É pra você aprender”.

Porque se sente mais dor no frio?

  • Home
  • Notícias
  • Saiba como prevenir dores musculares e nas articulações durante o inverno

Segundo fisiologista do HCor, a chegada do frio costuma fazer com que muitas pessoas deixem de praticar exercícios. Porém, manter-se em movimento é justamente a melhor maneira de combater os desconfortos físicos sentidos nesta época do ano Além de favorecer o aumento dos casos de doenças respiratórias , o inverno costuma desencadear desconfortos físicos que vão muito além de tremores e calafrios.

  1. Nessa época do ano, um incontável número de pessoas também costuma sofrer com a sensação de fortes dores musculares ou nas articulações;
  2. “O frio faz com que os nossos músculos e vasos sanguíneos se contraiam para diminuir os efeitos da queda de temperatura;

E é justamente essa contração que costuma causar dores musculares e, em alguns casos, problemas de postura. Já as dores nas articulações, muito comuns entre os idosos, são provocadas quando o líquido sinovial – que auxilia a lubrificação das superfícies articulares – se torna mais espesso também em função do resfriamento corporal”, explica o fisiologista do HCor – Hospital do Coração, Diego Leite de Barros.

Para prevenir tais problemas, Barros explica que a melhor opção é não ficar parado. Segundo ele, muitas pessoas deixam de fazer exercícios com a chegada do frio. Porém, manter-se em movimento é justamente a melhor maneira de evitar os desconfortos físicos trazidos por esta época do ano.

“Enquanto nos exercitamos, elevamos a nossa temperatura corporal – condição fundamental para a reversão dos processos que causam dores musculares e nas articulações. Além disso, fazemos com que o sangue seja bombeado com mais facilidade para locais onde costumamos ter mais frio – como as mãos e os pés –, o que também ajuda a nos manter aquecidos”, explica.

Para praticar atividade física nessa época do ano, porém, é preciso tomar algumas precauções. Pessoas idosas, sedentárias ou com mobilidade reduzida, por exemplo, devem optar por exercícios mais leves no início, como alongamentos, caminhadas ou, se possível, corridas em ritmo moderado.

Pessoas que já praticam algum treino físico, devem continuar as suas atividades normalmente, porém, sem descuidar da hidratação, já que, no inverno, a sensação de sede tende a diminuir. “Em todos esses casos, também é importante fazer o aquecimento apropriado e sempre se agasalhar bem, principalmente, no caso de exercícios feitos ao ar livre.

Como evitar dores no frio?

Porque a cirurgia dói no frio?

Por que meu corpo dói mais no frio? – O motivo é simples. No frio nós nos movimentamos menos, contraímos os músculos e ficamos mais encolhidos. Isso causa rigidez muscular e um possível desconforto ao se movimentar. Pessoas que passaram por uma cirurgia recente, por exemplo, podem sentir mais esse desconforto, as cicatrizes ficam mais retraídas, causando mais dor.

Porque o osso quebrado dói no frio?

O inverno traz o frio, o qual provoca uma contração dos músculos e das articulações, bem como uma vasoconstrição dos vasos sanguíneos, agravando as dores.

Porque quando chove dói a cirurgia?

Fisioterapeuta explica que a alteração na pressão do ar seria a responsável pela piora da dor, fazendo da articulação quase uma “previsão do tempo”. Entenda – Quem nunca ouviu uma pessoa mais velha falando que o tempo vai virar porque o joelho começou a doer? Embora pareça apenas superstição, há evidências científicas de que a mudança no clima pode mesmo provocar mais dores nas articulações daqueles que têm alguma patologia crônica, como a artrite ou uma hérnia de disco.

  1. Aproximadamente 67% das pessoas com dores crônicas sentem piora em seus sintomas com alterações climáticas, e na maioria dos casos isso acontece antes mesmo da mudança do tempo realmente acontecer, ou seja, é como se a articulação funcionasse como uma previsão do tempo;

Dores crônicas tendem a piorar sob baixas temperaturas — Foto: Getty Images Embora não haja um consenso absoluto da razão desse fenômeno, ou se ele de fato é real, existem teorias plausíveis que tentam explicá-lo. A mais aceita fala sobre a mudança na pressão do ar e que ela seria a responsável pela piora da dor, e não a temperatura ou a umidade, que são as opções mais óbvias.

A pressão atmosférica pode ser entendida como o “peso” do ar ao nosso redor. Se imaginamos uma articulação com problemas, que tende a inchar, quanto maior a pressão exercida por fora dessa articulação menor será esse inchaço.

E a pressão atmosférica tende a cair antes da chegada de um clima ruim, o que permite maior expansão da articulação que está sensível devido à processos inflamatórios, cicatrizes ou aderência. Tudo isso é microscópico, mas para quem tem sensibilidade parece ser perceptível.

Uma sugestão para quem sofre com dores nas alterações climáticas é manter a articulação ativa. A rigidez na região da dor pode piorar os sintomas ao invés de poupar a área dolorosa. Manter uma movimentação dentro do normal e os músculos fortalecidos, dentro do possível, é uma estratégia para lidar melhor com as mudanças do tempo nesse inverno.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte. com / EuAtleta. com. Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá.

Porque a fratura dói quando chove?

A ciência comprova: o frio provoca uma reação mais intensa dos neurônios e diminui também o fluxo de sangue para algumas regiões do corpo. – Uma pesquisa comprovou o que muita gente, por intuição, já sabia: aquela dor que aumenta de repente, principalmente em quem tem reumatismo, pode indicar mudança de tempo.

  1. É cientificamente provado: o frio provoca uma reação mais intensa dos neurônios e diminui também o fluxo de sangue para algumas regiões do corpo;
  2. Isso pode, sim, provocar uma sensação de dor;
  3. Então, se o joelho começar a latejar, é bom procurar um agasalho;

A dona de casa Maria Luiza Nascimento é dessas pessoas que poderiam fazer a previsão do tempo. “Eu percebo que vai mudar o clima porque eu começo a sentir dor muito forte nas articulações. Aí geralmente chove ou faz frio”, comenta. A dona de casa não é exceção.

  • “Eu sinto dor no pé, percebo uma dor na lombar”, diz uma senhora;
  • “Não sei bem por que, mas percebo uma dor nas costas que mexeu comigo”, conta um senhor;
  • O que para alguns parece uma brincadeira foi comprovado pela ciência;
You might be interested:  O Que Pode Ser Boca Amarga E Dor De Cabeça?

Diversas pesquisas feitas ao redor do mundo relacionam determinadas dores a mudanças climáticas. Um estudo recente estabelece até a temperatura que mais desencadeia reações no corpo humano. “As temperaturas abaixo de 17°C, principalmente com clima mais nublado, aumentam a incidência de dor nas pessoas que têm essa predisposição”, afirma o ortopedista José Luiz Zabeu.

  • Em uma clínica especializada em dores agudas, a procura por atendimentos nos meses de frio aumenta até 40%;
  • O presidente latino-americano do Instituto Mundial de Dor, Fabrício de Assis, explica que as reações estão relacionadas à pressão atmosférica;

Quando o clima começa a mudar, a pressão atmosférica deixa os neurônios mais sensíveis. Em pessoas com reumatismo, por exemplo, as células transmitem mensagens de dor a algumas partes do corpo. Além disso, a circulação do sangue diminui. “Existe uma diminuição do aporte de sangue para determinadas regiões, e isso no reumatismo é importante porque faz piorar a dor que piora a inflamação local também.

São dois fatores: afeta a circulação local e essa mudança na pressão atmosférica”, conclui Fabrício de Assis, presidente latino-americano do Instituto Mundial de Dor. Os médicos explicam ainda que as reações podem ocorrer em qualquer idade.

As baixas temperaturas alteram também o humor. Uma dica simples para amenizar as dores é acompanhar a previsão do tempo. “A pessoa que percebe que tem uma interferência no clima nas suas queixas de dor, seja ela portadora de artrite ou não, ela deveria, sim, acompanhar a previsão do tempo, levar um agasalho a mais na bolsa e evitar ambiente em que haja uma corrente de ar muito frio.

  • Isso vai dar dor nela;
  • Vale a pena na sua programação de vida, não só seu esquema de remédios e tudo mais, mas saber do tempo”, disse o ortopedista José Luiz Zabeu;
  • A pedagoga Maria Isabel Dias Batista segue a risca a orientação;

“Uso meias de futebol que são mais quentinhas, uso uma calça projetada para neve por baixo para não sentir tanto frio. Toda vez que eu sinto frio, eu pioro os sintomas da minha artrite”, conta a pedagoga.

Como aliviar dor nas pernas por causa do frio?

Estou sentindo muitas dores musculares o que fazer?

O que fazer para melhorar a friagem?

A promessa da chegada de uma frente fria em Curitiba para a próxima semana entre terça e quarta-feira (17 e 18) levanta um alerta para todo curitibano, seja raiz ou nutella: Como ficar em casa sem “morrer de frio”? Mas saiba que é possível aliviar um pouco a friagem e deixar a casa mais quentinha nesses dias de temperaturas mais baixas.

  • As soluções são simples, que podem ser feitas com o que você já tem em casa e, melhor ainda, sem gastar energia;
  • Confira! 1 – Abra as cortinas e persianas de manhã O vidro das janelas permite que a luz do sol entre e, à medida em que se reflete nas paredes e nos móveis, transforma-se em calor, e de graça! 2 – Invista em cortinas e blackouts grossos O calor que foi armazenado durante o dia escapa à noite, especialmente se a casa não tem vidros duplos;

Para diminuir este efeito, fechar bem os vidros e ter cortinas grossas ajuda e ainda garante um conforto térmico “visual”. 3 – Use tapetes Além de decorar o cômodo, os tapetes criam outra camada de isolamento no piso, mantendo os pés mais quentes. 4 – Tenha tecidos quentinhos no sofá e na cama Mantas e almofadas com tecidos quentinhos fazem toda a diferença em sofás e camas. Porque No Frio Sentimos Mais Dor Foto: Pixabay. 5- Cole fitas adesivas em portas e janelas Com o tempo, a vedação de portas e janelas fica comprometida e, com isso, o escape de calor e a entrada de frio é mais frequente. Uma boa solução, encontrada em lojas de produtos para casa e construção e bricolagem, são as fitas auto adesivas “veda frestas”.

  • Em dias frios, além de aquecerem de fato quem estiver sentado ou deitado, ainda conferem um calor visual;
  • Colocá-las na esquadria vai resultar em uma casa mais quente e menos barulhenta;
  • 6 – Melhore o isolamento dos caixilhos Outra forma de aumentar a eficiência das janelas é calafetar os caixilhos novamente;

Essa dica vale especialmente para casas mais antigas. 7 – Isole as janelas com plástico bolha Esta dica parece estranha, saída de experiências infantis, mas funciona. Borrife um pouco de água na janela e aplique o plástico bolha com o lado liso voltado para dentro do ambiente.

O material é um ótimo isolante, uma vez que é formado por ar (um isolante térmico clássico) envolto em plástico. 8 – Reverta a direção dos ventilador de teto Você não usa o ventilador de teto nos dias frios? Pois deveria.

Usar as pás no sentido inverso ao tradicional faz com que o ar quente seja empurrado para baixo. 9 – Prefira fazer pratos no forno Quase todo mundo liga as baixas temperaturas a pratos bem servidos. Aproveite então para intensificar os preparos no forno. Enquanto bolos, carnes e pães são assados, a casa recebe o calor do forno, evitando que seja necessário ligar o aquecedor.

Qual a pior cirurgia do mundo?

Qual é a cirurgia mais perigosa que existe? A hepatopancreatoduodenectomia.

Quem tem prótese sente dor no frio?

Por que o Frio causa mais Dor? – Então, como dito, a causa ainda é incerta, porém abaixo estão 6 teorias: 1 – A mudança na temperatura afeta os tendões, músculos e ossos Primeiramente, essa teoria por os músculos, tendões e ossos terem densidade diferente, assim no frio tem a diferença de contração, deixando-os mais duros.

2 – Mudanças na pressão atmosférica modificam as juntas/articulações Então, nessa teoria, quando o tempo muda, ocorre uma diferença na pressão atmosférica, causando mudanças de pressão nas articulações.

Além disso, pacientes com artrite, frequentemente tem cistos que se comunicam com a articulação. 3 – Líquido nas juntas reagem a temperaturas mais baixas  A temperatura mais baixa podem aumentar a rigidez das juntas, por conta do líquido que fica nas juntas chamado de líquido sinovial ficar mais espesso.

Assim, isso irá aumentar a fricção e o atrito dentro da articulação, causando dor. 4 – A temperatura afeta os metais dos implantes Implantes de metal, como os usados nas próteses e nas fraturas transferem calor e frio melhor e mais rápido que o corpo humano.

Dessa forma, os implantes metálicos no frio tendem conduzir mais frio, e assim sensibilização as terminações nervosas locais. 5 – Depressão e sua relação com o tempo As taxas de depressão costumam aumentar durante dias frios e com menos sol, seja em dias nublados.

Quem tem pino sente dor no frio?

Sim, como a densidade dos implantes (placa) é diferente da densidade dos tecidos do nosso corpo e o metal é um ótimo condutor térmico ( tem a habilidade de captar calor), mudanças de temperatura podem causar dor na região da cirurgia pois a placa fica sensível a essas mudanças.

Porque a fratura fica quente?

Calor é sinal de que articulação está sobrecarregada Tanto o calor quanto a dor e o inchaço são sinais de que a articulação está sobrecarregada e que é preciso reduzir a movimentação do corpo. Saito indica manter a área sobre repouso e utilizar uma bolsa de gelo durante a 15 a 20 minutos.

O que significa frio nos ossos?

Junto com o frio considerado como anomalia climática , que tem marcado o inverno deste ano, algumas sensações podem ser sentidas no corpo pelas pessoas. Arrepios, “dores nos ossos”, friagem e estresse no organismo são algumas das reações. E as pessoas em situação de rua são as que mais podem sofrer as consequências desta queda nos termômetros.

  • Para entender melhor de que forma o ser humano passará estes dias de possíveis geadas, o G1 conversou com o professor de fisiologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Sidiney Ruocco;
  • Foto de arquivo que ilustra moradores de rua em Uberlândia enfrentando o frio — Foto: Reprodução/TV Integração Diferente de outros animais, como os répteis e peixes, por exemplo, os seres humanos contam com a capacidade de gerar calor no próprio corpo;
You might be interested:  Dor De Barriga Em Criança O Que Fazer?

Para se adaptar às mudanças de temperatura e garantir a sobrevivência, o organismo manifesta algumas reações, entre elas, Ruocco citou os calafrios, eriçamento dos pelos, aumento do metabolismo e o fechamento dos vasos sanguíneos. “Quando os nossos receptores de frio indicam que o corpo está perdendo muita temperatura, a gente ativa mecanismos para conservar calor.

  • Como, por exemplo, os calafrios;
  • Eles são tremores musculares que geram calor”, explicou o professor;
  • Quanto ao eriçamento dos pelos , Ruocco informou que para os humanos eles não apresentam tanta utilidade, quanto em outros mamíferos que têm maior quantidade de cabelo corporal;

Já o fechamento dos vasos sanguíneos é uma forma de o corpo evitar a perda de calor. Quanto à sensação de menos saciedade , segundo o professor as pessoas sentem mais fome durante os dias frios devido ao aumento do metabolismo , causado pelas baixas temperaturas.

  1. “Isso acontece porque a energia metabólica do corpo fica destinada para a conservação do calor”, relatou Ruocco;
  2. Outro sintoma comum no período, é a dificuldade de movimentar os dedos e as dores nas articulações;

Para isso, o professor também tem uma explicação: o organismo contrai os músculos para reter calor, com isso, os movimentos ficam limitados. ” Geralmente quem sente isso são pessoas que já tem maior predisposição a doenças articulares, como a artrite ou a artrose”, indicou.

Já em relação à “dor no osso” , o professor explicou que se trata de uma ilusão. Normalmente, nestes casos a dor é resultado da contração dos músculos e, pela intensidade, pode ser sentida de forma mais profunda.

“Nós temos a impressão de que está doendo tão fundo, que está doendo no osso. Mas às vezes é uma dor muscular, causada pela fadiga e o enrijecimento dos músculos”, ressaltou Ruocco. Morador de rua se protege do frio Centro da cidade de São Paulo/foto de arquivo — Foto: Rogério Galasse/Estadão Conteúdo Contudo, o professor alertou que nem sempre as reações são tranquilas.

  • Por vezes, as alterações ambientais extremas, nas quais o corpo encontra dificuldades para se adaptar, causam uma espécie de “estresse” no organismo;
  • É nestes casos que as pessoas sentem sintomas mais intensos e ficam suscetíveis a doenças;

Nessas situações, aquelas pessoas que estão mais expostas ao frio, como a população em situação de rua , podem sofrer graves consequências, como a hipotermia por exemplo, quadro em que a temperatura do corpo, como um todo, fica reduzida. “Um importante fator de preocupação é se abrigar.

  1. O que pode auxiliar nessas situações são outras formas de proteção, como cobertores;
  2. Além de fornecer roupas e agasalhos, é importante oferecermos abrigo, ao menos temporário, para essas pessoas e diminuir a mortalidade dessa população”, alertou;

Por fim, o professor destacou a importância da alimentação, pois é através da energia que o corpo humano produz o calor necessário para se aquecer. Leia também:.

O que causa a dor da fibromialgia?

Autoria: Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles 20/04/2011 Definição A síndrome da fibromialgia (FM) é uma síndrome clínica que se manifesta com dor no corpo todo, principalmente na musculatura. Junto com a dor, a fibromialgia cursa com sintomas de fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada) e outros sintomas como alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão e alterações intestinais.

  • Uma característica da pessoa com FM é a grande sensibilidade ao toque e à compressão da musculatura pelo examinador ou por outras pessoas;
  • A fibromialgia é um problema bastante comum, visto em pelo menos em 5% dos pacientes que vão a um consultório de Clínica Médica e em 10 a 15% dos pacientes que vão a um consultório de Reumatologia;

De cada 10 pacientes com fibromialgia, sete a nove são mulheres. Não se sabe a razão porque isto acontece. Não parece haver uma relação com hormônios, pois a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes quanto depois da menopausa. Talvez os critérios utilizados hoje no diagnóstico da FM tendam a incluir mais mulheres.

A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre os 30 e 60 anos. Porém, existem casos em pessoas mais velhas e também em crianças e adolescentes. O diagnóstico da fibromialgia é clínico, isto é, não se necessitam de exames para comprovar que ela está presente.

Se o médico fizer uma boa entrevista clínica, pode fazer o diagnóstico de fibromialgia na primeira consulta e descartar outros problemas. Na reumatologia, são comumente usados critérios diagnósticos para se definir se o paciente tem uma doença reumática ou outra.

  1. Isto é importante especialmente quando se faz uma pesquisa, para se garantir que todos os pacientes apresentem o mesmo diagnóstico;
  2. Muitas vezes, entretanto, estes critérios são utilizados também na prática médica;

Os critérios de diagnóstico da fibromialgia são: a) dor por mais de três meses em todo o corpo e b) presença de pontos dolorosos na musculatura (11 pontos, de 18 que estão pré-estabelecidos). Deve-se salientar que muitas vezes, mesmo que os pacientes não apresentem todos os pontos, o diagnóstico de FM é feito e o tratamento iniciado.

  1. Estes critérios são alvo de inúmeras críticas – como dissemos anteriormente, quanto mais pontos se exigem, mais mulheres e menos homens recebem o diagnóstico;
  2. Além disso, esses critérios não avaliam sintomas importantes na FM, como a alteração do sono e fadiga;

Provavelmente o médico pedirá alguns exames de sangue, não para comprovar a fibromialgia, mas para afastar outros problemas que possam simular esta síndrome. O DIAGNÓSTICO DE FIBROMIALGIA É CLÍNICO, NÃO HAVENDO EXAMES QUE O COMPROVEM. Sintomas O sintoma mais importante da fibromialgia é a dor difusa pelo corpo.

Habitualmente, o paciente tem dificuldade de definir quando começou a dor, se ela começou de maneira localizada que depois se generalizou ou que já começou no corpo todo. O paciente sente mais dor no final do dia, mas pode haver também pela manhã.

A dor é sentida “nos ossos” ou “na carne” ou ao redor das articulações. Existe uma maior sensibilidade ao toque, sendo que muitos pacientes não toleram ser “agarrados” ou mesmo abraçados. Não há inchaço das articulações na FM, pois não há inflamação nas articulações.

  1. A sensação de inchaço pode aparecer pela contração da musculatura em resposta à dor;
  2. A alteração do sono na fibromialgia é frequente, afetando quase 95% dos pacientes;
  3. No início da década de 80, descobriu-se que pacientes com fibromialgia apresentam um defeito típico no sono – uma dificuldade de manter um sono profundo;

O sono tende a ser superficial e/ou interrompido. Com o sono profundo interrompido, a qualidade de sono cai muito e a pessoa acorda cansada, mesmo que tenha dormido por um longo tempo – “acordo mais cansada do que eu deitei” e “parece que um caminhão passou sobre mim” são frases frequentemente usadas.

  1. Esta má qualidade do sono aumenta a fadiga, a contração muscular e a dor;
  2. Outros problemas no sono afetam os pacientes com fibromialgia;
  3. Alguns referem um desconforto grande nas pernas ao deitar na cama, com necessidade de esticá-las, mexê-las ou sair andando para aliviar este desconforto;

Este problema é chamado Síndrome das Pernas Inquietas e possui tratamento específico. Outros apresentam a Síndrome da Apneia do Sono, e param de respirar durante a noite. Isto também causa uma queda na qualidade do sono e sonolência excessiva durante o dia.

A fadiga (cansaço) é outro sintoma comum na FM, e parece ir além ao causado somente pelo sono não reparador. Os pacientes apresentam baixa tolerância ao exercício, o que é um grande problema, já que a atividade física é um dos grandes tratamentos da FM.

A depressão está presente em 50% dos pacientes com fibromialgia. Isto quer dizer duas coisas: 1) a depressão é comum nestes pacientes e 2) nem todo paciente com fibromialgia tem depressão. Por muito tempo pensou-se que a fibromialgia era uma “depressão mascarada”.

  • Hoje, sabemos que a dor da fibromialgia é real, e não se deve pensar que o paciente está “somatizando”, isto é, manifestando um problema psicológico através da dor;
  • Por outro lado, não se pode deixar a depressão de lado ao avaliar um paciente com fibromialgia;

A depressão, por si só, piora o sono, aumenta a fadiga, diminui a disposição para o exercício e aumenta a sensibilidade do corpo. Ela deve ser detectada e devidamente tratada se estiver presente. Pacientes com FM queixam-se muito de alterações de memória e de atenção, e isso se deve mais ao fato da dor ser crônica do que a alguma lesão cerebral grave.

  1. Para o corpo, a dor é sempre um sintoma importante e o cérebro dedica energia lidando com esta dor e outras tarefas, como memória e atenção, ficam prejudicadas;
  2. Como veremos a seguir, imagina-se que a principal causa dor difusa em pacientes com FM seja uma maior sensibilidade do paciente à dor, por uma ativação do sistema nervoso central;
You might be interested:  O Que Pode Ser Uma Dor Na Nuca?

Não é de espantar, portanto, que outros estímulos também sejam amplificados e causem desconforto aos pacientes. A síndrome do intestino irritável, por exemplo, acontece em quase 60% dos pacientes com FM e caracteriza-se por dor abdominal e alteração do ritmo intestinal para mais ou para menos.

  1. Além disso, pacientes apresentam a bexiga mais sensível, sensações de amortecimentos em mãos e pés, dores de cabeça frequentes e maior sensibilidade a estímulos ambientais, como cheiros e barulhos fortes;

O que causa a Fibromialgia? Não existe ainda uma causa única conhecida para a fibromialgia, mas já temos algumas pistas porque as pessoas têm esta síndrome. Os estudos mais recentes mostram que os pacientes com fibromialgia apresentam uma sensibilidade maior à dor do que pessoas sem fibromialgia.

Na verdade, seria como se o cérebro das pessoas com fibromialgia estivesse com um “termostato” ou um “botão de volume” desregulado, que ativasse todo o sistema nervoso para fazer a pessoa sentir mais dor.

Desta maneira, nervos, medula e cérebro fazem que qualquer estímulo doloroso seja aumentado de intensidade. A fibromialgia pode aparecer depois de eventos graves na vida de uma pessoa, como um trauma físico, psicológico ou mesmo uma infecção grave. O mais comum é que o quadro comece com uma dor localizada crônica, que progride para envolver todo o corpo.

  1. O motivo pelo qual algumas pessoas desenvolvem fibromialgia e outras não ainda é desconhecido;
  2. O que não mais se discute é se a dor do paciente é real ou não;
  3. Hoje, com técnicas de pesquisa que permitem ver o cérebro em funcionamento em tempo real, descobriu-se que pacientes com FM realmente estão sentindo a dor que referem;

Mas é uma dor diferente, onde não há lesão na periferia do corpo, e mesmo assim a pessoa sente dor. Toda dor é um alarme de incêndio no corpo – ela indica onde devemos ir para apagar o incêndio. Na fibromialgia é diferente – não há fogo nenhum, esse alarme dispara sem necessidade e precisa ser novamente “regulado”.

Esse melhor entendimento da FM indica que muitos sintomas como a alteração do sono e do humor, que eram considerados causadores da dor, na verdade são decorrentes da dor crônica e da ativação de um sistema de stress crônico.

Entretanto, mesmo sem serem causadores, estes problemas aumentam a dor dos pacientes com FM, e devem também ser levados em consideração na hora do tratamento. Última atualização (20/04/2011).

O que acontece com o nosso corpo no frio?

“A saúde é a justa medida entre o calor e o frio” Para que o organismo funcione corretamente, a temperatura corporal deve manter-se entre 35 e 40ºC. O organismo tolera bem pequenas variações de temperatura que normalmente ocorrem ao longo do dia, do ciclo menstrual, com a idade, ou mesmo derivadas de toma de medicamentos (antidepressivos, relaxantes musculares) ou de algumas patologias (hipotiroidismo, anemia).

Já alterações drásticas da temperatura exterior, características do inverno, podem colocar a saúde do Homem em risco. O frio causa diminuição da temperatura corporal, o que reduz a capacidade de resposta do sistema imunitário e favorece a atividade de vírus respiratórios, ficando o organismo mais susceptível a infeções.

Pode ainda agravar os sintomas de doenças pré-existentes, nomeadamente cardiovasculares, respiratórias e músculo-esqueléticas. Por outro lado, podem surgir lesões na pele, por desidratação (secura, eczema) ou por exposição direta ao frio e à humidade (úlceras por frio derivadas do congelamento, queimaduras, pé-de-imersão ou frieiras).

Em situações extremas, o frio pode diminuir a temperatura corporal abaixo dos 35ºC, causando hipotermia, cujos sintomas progridem de arrepios, sonolência, confusão, coma, até à morte. As crianças e os idosos são mais susceptíveis, pois têm muitas vezes limitações de movimento e de comunicação.

Os idosos podem ainda apresentar pouca gordura subcutânea e falta de sensibilidade à temperatura. Indiretamente, o frio pode causar acidentes rodoviários por derrapagem, quedas no gelo, incêndios e intoxicações por monóxido de carbono devido ao uso incorreto ou mau funcionamento de sistemas de aquecimento.

Para contrariar os efeitos negativos do frio, existem dois tipos de mecanismos: internos e comportamentais. Os mecanismos internos consistem em mudanças involuntárias no organismo, que ajudam a regular pequenas variações da temperatura.

Assim, perante temperaturas baixas, o organismo tenta preservar o calor eriçando os pelos para isolar a pele do frio, e constringindo dos vasos sanguíneos para reduzir o sangue exposto ao frio, desviando-o da pele e dos membros para áreas mais centrais (abdómen, peito e cabeça).

Por outro lado, o organismo procura gerar mais calor, através de arrepios e do aumento do metabolismo das células, especialmente as do fígado. Estes processos conseguem aumentar até 5 vezes a produção de energia pelo organismo.

Por sua vez, os mecanismos comportamentais consistem em atitudes que procuram mudar as condições em que o Homem se encontra e o ambiente que o envolve. Estes mecanismos, se efetuados corretamente, acabam por ser mais eficazes que os anteriores. Seguidamente dá-se exemplos de mecanismos comportamentais e de formas de os tornar mais eficientes e seguros: Adotar uma posição corporal encolhida, diminuindo as perdas de calor para o ambiente.

Vestir mais roupa para isolar a superfície corporal do frio. Escolher várias camadas de roupa em vez de uma muito grossa, pois aumenta o isolamento. Evitar roupas apertadas para não dificultar a circulação sanguínea.

Vestir gorros e cachecóis para diminuir a dissipação de calor pela cabeça e pescoço. Usar luvas e meias quentes, pois a constrição dos vasos sanguíneos leva as extremidades a ficarem geladas e mais suscetíveis a lesões. Retirar qualquer peça de roupa húmida de imediato, pois a pele molhada congela a uma temperatura mais alta que a pele seca.

Abrigar-se em sítios cobertos e quentes, evitando locais com grande concentração de população, pois há maior probabilidade de propagação de infeções. Aquecer o ambiente utilizando aparelhos de aquecimento ou lareiras, confirmando antes o seu correto funcionamento e a sua limpeza.

Manter um bom arejamento do espaço, para evitar intoxicações. Estes nunca devem ficar ligados sem supervisão. Aquecer-se utilizando botijas de água quente, confirmando sempre se estão bem vedadas para evitar queimaduras. Evitar banhos prolongados com água muito quente e utilizar produtos de higiene com tensioactivos suaves e de pH fisiológico, que preservem o filme hidrolipídico da pele.

  1. Hidratar e nutrir adequadamente a pele em seguida;
  2. Ingerir muitos líquidos, em especial bebidas quentes e açucaradas, pois o açúcar serve de combustível para as células produzirem energia e a água é essencial para a manutenção do metabolismo do organismo e evitar a secura da pele;

Devem evitar-se bebidas alcoólicas, pois dão uma falsa sensação de aquecimento. Elas promovem dilatação dos vasos sanguíneos e maior quantidade de calor é dissipado para o ambiente através da pele. As bebidas alcoólicas e a cafeína podem ainda dificultar a produção de energia, devido à desidratação causada pela sua ação diurética.

Fazer exercício físico para produzir mais energia, evitando espaços ao ar livre, que possam expor a pele transpirada a baixas temperaturas e aumentar o risco de lesões. Outras medidas podem ser tomadas para prevenir os efeitos negativos do frio.

Alimentar-se corretamente, procurando comer muitos vegetais e fruta. Se necessário reforçar o sistema imunitário com suplementos multivitamínicos. Vacinar-se contra a gripe e pneumonia, prevenindo assim também outras doenças que daí possam resultar. Recorrendo a estas medidas, o Homem acaba por conseguir superar as mais difíceis condições climatéricas, sem que a sua Saúde seja afetada.

Porque algumas pessoas sentem mais dor do que outras?

Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que os neandertais tinham uma predisposição genética ao aumento da sensação de dor — e as pessoas que herdaram esses genes também são mais sensíveis. O estudo foi publicado em 23 de julho na Current Biology.

Porque sinto dor no joelho no frio?

Por que sinto dor no frio?

‘Sim, é comum sentir incômodo nos joelhos no frio. A vasoconstrição ajuda a explicar isso. É um fenômeno que ocorre para manter a temperatura corporal no frio. A vasoconstrição diminui a chegada de sangue nas extremidades, deixando-as mais suscetível à dor.

0
Adblock
detector